BIOGRAFIA

 

Escultora, landartist, videógrafa e paisagista, Sandra Tannous produziu várias exposições em Quebec, França, Suíça e Brasil. Residente em Montreal, ela é cofundadora da Cooperativa de Lezarts para artistas visuais e de mídia e membro da Association des Architectes paysagistes du Québec.

 

Sensível, por um lado, aos problemas da cidade, portanto, da relação que o ser humano estabelece com o seu meio, tenta recriar uma harmonia entre o espaço urbano, o espaço natural, a arte e o homem. A sua intenção é, em particular, criar obras em ambiente público, projetos abertos e fisicamente acessíveis, de forma a expor todos os transeuntes ao potencial paradigmático da arte. Os jogos de escalas (humano / monumental) oferecem múltiplas possibilidades, enquanto os elementos existentes (por exemplo, paisagem, história, patrimônio, meio ambiente, arquitetura) oferecem uma narrativa díspar a partir da qual Sandra Tannous tece uma narrativa coerente.

Em 2011 e 2013, produziu “Laine d'Art” e “Lisière”, dois projetos produzidos em eventos anuais dedicados à Land Art. Em 2012, desenhou o projeto de arte pública “Rassemblement”, que produziu em colaboração com a cooperativa de Lezarts. Entre 2013 e 2014 desenhou “Réverbères Bleus” com Delphine Quach, um projeto de arte urbana produzido em Montreal. Em 2016, trabalhou em Basel na Suíça, em 2017 em Salvador no Brasil, como parte de um workshop-residência. Atualmente está trabalhando no desenvolvimento de vários projetos. Posteriormente, ela colocará suas energias na arte pública urbana, bem como em outros projetos de exposição em galerias.

 

http://www.voiesculturelles.qc.ca/sandra-tannous/

 

ABORDAGEM

 

Meu trabalho surge a partir de questionamentos sobre as necessidades e o ambiente dos seres humanos. Tento entender como e com que ele arruma seu espaço; e que significado pode ser extraído dos edifícios, instrumentos e ferramentas que ele fabrica. Desde 2008, tenho sido mais particularmente sensível aos problemas da cidade, à relação que o ser humano estabelece com o seu meio, e procuro criar uma harmonia entre o espaço de apresentação, o espaço urbano, o espaço natural e o homem. Minha abordagem artística vai da galeria para o exterior e vice-versa.

 

Estes interesses são expressos através da escultura e do vídeo, e mais recentemente da arte da paisagem, que vejo como uma prática híbrida, onde as noções de design ambiental e arquitetura paisagística são integradas na minha prática de instalação para servir à reflexão sobre os locais de recepção de. o trabalho. Usando formas arquitetônicas típicas - cidadelas, teatros gregos ou outros‒, minhas instalações ao ar livre respondem às heranças arquitetônicas, paisagísticas e históricas dos locais dados, tecendo assim uma narrativa coerente entre os vários elementos do lugar.

 

No que diz respeito à escultura, as minhas referências surgem frequentemente de contextos relacionados com a navegação, a arquitectura urbana, industrial e rural, da qual tiro formas limpas e seriais típicas (pontes, cais, torres de água). O resultado é um trabalho oscilando entre o estatuto simbólico do objeto, seu grau de abstração, seu polimorfismo e sua polissemia permitindo um jogo de associação universal. Na verdade, a qualidade arquetípica dessas formas está no cerne da minha prática; Tento alcançá-lo, apreendê-lo para despertar as reminiscências, essas memórias vagas, esses saberes inconscientes, e por assim dizer atemporais, vinculados a objetos e suas formas que existem há muito na cultura humana.

 

Mais concretamente, para cada projeto, realizo uma pesquisa formal, uma síntese de objetos com propriedades comuns. Nesse sentido, minhas obras são arranjos de signos: as formas que faço têm um caráter evocativo, que nunca se refere a um objeto específico, mas sim a um repertório, por trás do qual o tear usa, precisa e um significado mais profundo que procuro expressar.

 

Esse significado pode ser encontrado na minha intenção de produzir um efeito duplo no espectador. Em primeiro lugar, sugerir atividades do corpo, para reavivar a consciência, seja pelo aspecto utilitário das esculturas, pela sua escala ou pela experiência cinestésica a que se adequam: ações de dobrar, subir ou descer, sensação a incluir. Em segundo lugar, procuro provocar um questionamento no espectador: minhas obras, sendo baseadas em sínteses formais, despertam diferentes associações de ideias. Estes, por sua vez, exigem que busquemos consistência, que encontremos a chave. Combinados com a experiência do corpo, eles levam à descoberta de analogias entre as atividades do corpo e as da mente.

  • Twitter Clean

Siga me no twitter

  • w-flickr

Siga-me no Flicker